quinta-feira, 11 de abril de 2013

Os gramados da Abertura e Encerramento da Copa


Os estadios da Copa de 2014 entram em fase de instalaçāo dos gramados, esses que serāo vistos por todo mundo durante as partidas de futebol entre as melhores seleções do mundo aqui no Brasil. O que me faz lembrar alguns mundiais que viveram problemas justamente no tapete principal de um evento como esse. Como no mundial do Mexico de 86 onde parte do gramado saia do solo, o mesmo na Copa da Africa do Sul que a preocupaçāo com o desgaste do gramado do principal estádio da Copa, o Soccer City, fez os organizadores nāo permitir as seleçoes o reconhecimento do campo antes das partidas. 
Neste mes de março o principal estádio do Brasil Vivek novamente um caso de enchente no gramado, o que preocupou e muito a FIFA e a todos, pois nāo é a primeira fez que o Maracanā sofre de alagamento e pior, o estádio que esta em reformas atrasadas para a Copa das Confederações e a Copa do Mundo, já possuia instalado no local o novo sitema de drenagem, fato que mostrou nāo eficiente para tamanha chuva.

Em outubro de 2012, Ícaro Moreno, presidente da Empresa de Obras Públicas do estado do Rio de Janeiro, disse que o Maracanā receberia o melhor sistema de drenagem, com declarações bem cariqueis falou em entrevista ao site Portal da Copa: “A reforma do Maracanã, além de utilizar modernas técnicas de engenharia, segue as boas práticas das construções sustentáveis e ambientalmente eficientes, como o sistema de drenagem do gramado que estamos implantando.” disse Moreno.

Comparações

O Maracanã já terminou a instalação do gramado e a Arena Corinthians inicia a instalação do sistema de drenagem para em até junho seja instalada a grama no estádio, o que me faz colocar no blog as diferenças nesse quisito entre esses dois principais estádios da Copa de 2014.

A drenagem

Maracanā - Durante 6 meses no ano de 2012, os responsáveis pela reforma ficaram em um impasse junto aos técnicos da Fifa que precionavam para que o estádio adotasse o sistema de drenagem a vácuo, que garantiria um escoamento de água em maior velocidade. Por outro lado, o fato de o gramado do Maracanã já ter sido rebaixado em reformas anteriores, comprometeria o lençol freiático situado abaixo do solo do estádio, visto que a tubulação da drenagem à vácuo alcança até 1,5m de altura. E nenhuma outra anternativa de sistema a vacuo de engenharia  moderna foi adotada. Apenas a de escoamento de gravidade. “Duplicamos a capacidade de drenagem, provamos que não precisamos da drenagem a vácuo. Está definido” –  garantiu a epoca Ícaro Moreno.

Arena Corinthians - O sitema de drenagem optado pelo Corinthians foi misto, começou essa semana a ser feita a implantação dos sistemas de drenagem a vácuo (recomendado pela Fifa), e haverá também na arena a opção de drenagem por gravidade.

O gramado

Maracanã - No local, foi plantada a grama do tipo Bermuda Celebration, adequada ao clima tropical, mais resistente à variação de temperatura e que cresce mesmo à sombra, produzida pelas coberturas dos estádios, por exemplo. As arenas Castelão (Fortaleza), Mineirão (Belo Horizonte) e Fonte Nova (Salvador), palcos da Copa das Confederações que já foram inaugurados, também usam a mesma variação.Para a manutenção do gramado, a irrigação é feita com aspersores com comandos individuais e dotados de sensores de umidade. Com área plantada de 9 mil m², o campo do Maracanã será menor que o original, atendendo exigências da FIFA. As dimensões, agora, são de 105m de comprimento por 68m de largura e a distância do gramado para a primeira fileira de arquibancadas diminuiu para 14 metros.

Arena Corinthians - O estádio da abertura da Copa utilizará a grama do tipo Ryegrass, por causa desse tipo de grama a Arena Corinthians terá  um gramado com um sistema de resfriamento inédito no mundo.
O sistema, com água e ar gelados, foi desenvolvido em função desse tipo de grama escolhido para a arena: a Ryegrass é comum em estádios da Europa.
A temperatura ideal para a Ryegrass é de 23 graus C, passou disso, terá que acionar o sistema de insuflamento de ar gelado para que a grama fique nos 23 graus.  Ao ser colocado em funcionamento, o sistema leva água e ar resfriados até as raízes da grama, por meio de canos de diferentes espessuras.

Abaixo dos 14 graus C, porém, a grama precisaria ser aquecida (sistema comum na Europa). “Mas em função do clima de São Paulo, não vamos ter sistema de aquecimento”, explicou Márcio Prado Wermelinger, engenheiro responsável pela produção da Odebrecht. O sistema de irrigação será automatizado e serão colocados 48 aspersores (a Fifa pede de 24 a 30), com acionamento individual. Assim, será possível irrigar partes diferentes do gramado, de acordo com as necessidades.
A concepção foi marcada pela premissa do projeto “fazer o melhor gramado do mundo”.